Páginas

terça-feira, 15 de abril de 2014

Os cientistas deveriam estudar, a fundo, os efeitos terapêuticos de um pé na bunda sob as mulheres. Deveriam passar receitas prescrevendo isso como remédio e cura, por aí. Colar cartazes pelas esquinas: Devolvo o amor-próprio em 3 dias. Já vi cada milagre, que até Deus duvida. E não tem erro: quando encontrar aquela conhecida que sempre foi sem sal, de cabelo enorme-sem-corte e roupas escolhidas no escuro e ela estiver com o cabelo repicado, meio loiro e decotão, amigo, o namoro de anos foi por água abaixo! É sofrer, superar e sambar, a sequência dos "3 esses", podendo variar a ordem dos últimos dois, sem alteração no produto final. A dor de cotovelo esmaga a preguiça e matricula qualquer uma na academia, com o maior foco do universo. Os batons de tons fortes se jogam nas bolsas e emolduram divinamente as pragas e desaforos: "Não deu certo porque ele só uma criança e eu não tenho tempo pra construir caráter de ninguém" ou "Ele vai terminar com uma psicopata e vai lembrar de mim todos os dias da vida dele, ah vai!". Não subestimo uma mulher recém abandonada. Nem julgo, muito pelo contrário. Cada um sabe a intensidade da sede de vingança que tem. Água não se nega a ninguém, que se vinguem. Que passem na frente dele de salto alto e braços dados com algum boy magia que não sabe nem concordância verbal, mas de boca fechada é um semi-deus. Que se renovem. Um nó na garganta é muito difícil de ser desfeito. Valorizo todas as tentativas, que mesmo vazias, são muito melhores do que se entregar pra dor. Nenhum sentimento é mais poderoso do que o "ele vai ver o que perdeu! E vai se arrepender pelo resto da vida". Nenhuma mudança é tão radical do que as que são frutos da rejeição- e não me refiro só a mudanças físicas. Uma nova mulher. Tantas novas mulheres, depois de cada fim. Amadurecimento temperado com água e sal. Tanto choro engolido, que a gente termina um pouco salgada também. Males que vem pra bem. Tanto esforço tentando virar mulher demais pra ele, que a gente vira mulher demais pra meio mundo. E, um dado momento, quando ele passar, nem precisa respirar fundo. Porque isso não é mais sobre um cara. É sobre a nova cara da vida, muito mais colorida, diante da nova você.

Marcella Fernanda
“Suas palavras já não me afetam mais, sua presença já não me importa. Sua falta já não é mais sentida. Agora, eu finalmente sinto que posso seguir em frente.” 

— Londres, 1935.
“Um dia um cara me disse: 
- Mulheres são como bonecas. Você pode bagunçar o cabelo delas, jogar elas no canto, pisar em cima delas e trocar por outra.” 
E eu dei apenas um sorriso irônico e respondi: 
- Pois é, só que homem de verdade, não brinca de boneca.” 

— Chorão
"Te exclui da minha vida. Alias, me exclui dos caminhos que me levavam a você. Vai ser difícil tirar você daqui de dentro. Se eu não te tiro, então eu saio. Dá vontade realmente de sair desse corpo e ir morar em outro, como se as emoções e os fatos que aconteceram com essa matéria, ficassem dentro dela e não me perseguissem quando eu fosse outro. Dá vontade de sair daqui. De ir pra bem longe. De nunca mais te ver. Mas dá vontade de te ouvir me chamando la fora numa noite qualquer e pedindo perdão pelas vezes que pensou mais em você do que em mim, que não me entendeu. Pedindo pra eu ficar. Não te abandonar. Dá vontade de ver meu celular vibrar e na tela uma mensagem sua, dizendo que eu fui a melhor coisa que te aconteceu. Eu te amo. Te desejo alegrias. Cartas anônimas de amor. Brisas aos fins de tarde. Amigos. Te desejo desejos! Eu te amo. Me fala se um dia tua saúde estiver fraca, eu mando minhas energias mais positivas pra te ver bem. Eu falo com Deus por você. Dou um ultimato no seu anjo-da-guarda. Eu realmente te amo. Vai se lembrar disso amanhã? Eu espero que sim. Vou lembrar-me de você a minha vida inteira."
Você não pode ter medo que as pessoas te machuquem, viu. Porque as pessoas vão te machucar de vez em quando, até mesmo aqueles que você mais confia e admira. Não vão fazer por mal, mas somente porque são humanos. Cometemos erros ridículos com pessoas maravilhosas. Faz parte. Não esquece que cada um é cada um. Somos diferentes. Graças a Deus, somos. Vive um dia por vez, sem pressa e sem querer ser mais rápida que o tempo. E por favor, vai ser feliz, que tu ainda tem muito por viver.”
— Caio Fernando Abreu.

quinta-feira, 10 de abril de 2014

Já repararam que o amor normalmente não vêm no frasco que queremos? Ou que esperamos? Quantas pessoas namoraram loiras de olhos claros e casaram com morenas ou vice versa? Porque o cara troca a morena linda pela tímida ruivinha? E aquela linda, que troca o saradão malhado pelo pequeno e tímido? Eu respondo, conteúdo. Não somos apenas frascos, somos conteúdo. Quantos casais vocês conhecem que não se falavam, se odiavam, não se toleravam mesmo… antipatia pura. E que hoje, são casadinhos e andam de mãos dadas, se tratam por apelidos, erguem famílias lindas e felizes. Essas pessoas trocaram os frascos pelo conteúdo. Quando somos jovens imaginamos a mulher (ou o homem) perfeito. Idealizamos uma alma gêmea perfeita. Que atenderá todos os nossos desejos e sonhos. Algumas pessoas realmente encontram os seus “pares” idealizados. só pra descobrir que não era aquilo tudo. As mulheres sonham com o dia que cruzarão com o homem perfeito, aquele príncipe que as levarão para viver em seu castelo cor de rosa. Mas aí, tudo muda quando o homem conhece aquela mulher que é legal, que o compreende, cheirosa, com um sorriso lindo. E a mulher? Quem nunca esteve com aquele carinha que não aparentava muita coisa, “descombinante” mesmo, e se arrepiou toda com um simples toque na pele? O amor não reconhece frascos, o amor quer conteúdo. Aquela mulher com aquele sorriso de fazer o Sol sair por detrás das nuvens. Aquele cara que cuida, mima e dá colo. Que arrepia só no toque. Aquela mulher que não sai da sua cabeça. Aquele cara de quem você se lembra quando acorda de um sonho ruim. Aquela mulher que você quer ouvir. Aquele homem com que você quer falar. Que se danem os príncipes e as princesas. Que venham as pessoas reais, aquelas que se doam. Que sofrem, que choram por um amor. Aquelas que abraçam travesseiros e suspiram. Que têm milhares de defeitos mas o que conta mesmo é “aquela” qualidade que te fez apaixonar. Achar essas pessoas não é tão difícil, a gente as reconhece logo de cara. O problema é que às vezes a gente pensa demais e complica as coisas.
Se ele sentir sua falta, ele vai ligar. Se ele se importa com você, ele vai demonstrar. Não precisa cobrar. Se ele quer, ele faz. Se ele não faz, não ache que o problema é você. Apenas pare de gastar seu tempo com ele, porque ele com certeza não pretende gastar o tempo dele com você.